O FARO DE GOL DE ARISTIZABAL

Boa tarde soberanos.

Como pode o maior artilheiro da história da Colômbia, ser também o jogador mais odiado do país? Essa enquete foi vencida e é uma das curiosidades do ex-atacante Víctor Hugo Aristizábal Posada, o Aristizabal (também conhecido como Arigol). Tal apelido se deve ao fato de ter marcado 348 gols na carreira, sendo 147 deles no Brasil, tornando-se o maior artilheiro estrangeiro do país. No tricolor paulista foram 36 gols em 79 jogos (0,46 gols por jogo). Porém, essa estada tanto tempo fora do país e sua devoção pelo Atlético Nacional, de Medellín, levaram ao status de mais odiado na Colômbia.

 

Projetado para o cenário do futebol pelo Atlético Nacional, teve uma curta passagem pelo valência em 94. Após seis anos, entre 90 e 96, de Atlético, Ari desembarcou no Brasil para atuar pelo Maior do Mundo. Conquistou o título paulista, substituindo o ídolo da torcida Raí, num time que ainda contava com França e Denilson, além de Rogério Ceni. Pouco mais de dois anos de clube, conquistou a torcida por sua garra e espírito de liderança. Num time com lideranças como RC e Raí, e veteranos como Capitão e Marcio Santos, Ari chamava atenção pela vibração e força motivacional com os companheiros, mesmo nos momentos em que estava na reserva do clube, sendo um homem de confiança de Nelsinho Baptista. Em 1997, pelo paulista, Aristizabal faz uma partida incrível contra a SEP e, num ótimo entrosamento com Dôdo, faz sua trinca de gols numa vitória memorável por 4×1. Mas vale lembrar que ele tentou ser o nosso algoz, na Supercopa de 1993, fazendo o gol sobre o São Paulo, quando ainda atuava pelo Atlético. O tricolor venceu a partida de ida por 1×0 e perdeu a de volta por 2×1. Nos pênaltis, o próprio Aristizabal desperdiçou a última cobrança na vitória tricolor por 5×4, que nos levou a final contra o Flamengo, consumada em título.

Em 98, transferiu-se para o Santos onde permaneceu até 99, onde voltou para terra natal defendendo o Deportivo Cali. Em 2002 Voltou ao Brasil para defender o vitória, na excelente dupla de ataque com André, que resultou em 60 gols na temporada. Em 2003 foi para o Cruzeiro, no time multicampeão de Vanderlei Luxemburgo, e em 2004 esteve no Coritiba.

Já em 2005 retornou ao time que lhe projetou, encerrando a carreira ainda de maneira precoce, após se lesionar grava mente no joelho esquerdo, numa partida contra o Once Caldas. Despediu-se da seleção após 66 partidas e 15 gols num jogo contra a seleção brasileira, nas eliminatórias da copa de 96. Ainda pela seleção, esteve no grupo que disputou a copa de 94 e 98, além da copa América de 2001, onde foi campeão e artilheiro do torneio.

Aposentado dos gramados após partida de despedida na metade de 2008, que reuniu 40 mil pessoas e diversos ex jogadores, Ari estuda a possibilidade de se tornar treinador de futebol. Suas referências: Vanderlei Luxemburgo e Carlos Alberto Parreira.

Títulos:

Copa Interamericana: 1990 e 1995 – Atlético Nacional

Campeonato Colombiano: 1991, 1994, 2005 e 2007 – Atlético Nacional

Copa Merconorte: 2000 – Atlético Nacional

Campeonato Paulista: 1998 – São Paulo

Copa Conmebol: 1998 – Santos

Campeonato Baiano: 2002 Vitória

Campeonato Brasileiro: 2003 – Cruzeiro

Copa do Brasil: 2003 – Cruzeiro

Campeonato Mineiro: 2003 – Cruzeiro

Campeonato Paranaense: 2004 – Coritiba

Copa América: 2001 – Seleção Colombiana

Feitos:

Artilheiro da Copa América 2001 – 7 gols

Jogador mais odiado da Colômbia (2010) – 7.542 votos (51%)

São Paulo 4 – 1 SEP – Campeonato Paulista 1997:

Atletico Nacional gol de Aristizabal contra Sao Paolo 1993:

 

Anúncios

17 respostas em “O FARO DE GOL DE ARISTIZABAL

  1. Aiin confesso que sinto saudadees do Aristizabal , essa epoca foi qdo passei acompanhar com mais frequência o Tricolor…França,Denílson ( que é um idolo pra miim até hoje) que bacana Celsoo…

    Parabéns!!!!

    BjOos

    • Valeu Kell….
      Essa foi uma grande época, antes da escasez que viria com a troca dos amortecedores do Morumbi, logo em seguida. Não ganhamos mais títulos por que esses consagrados jogadores estavam amadurecendo na época e nossos adversários tinham grandes times também!
      Besos

  2. Pingback: Tweets that mention O FARO DE GOL DE ARISTIZABAL « SOBERANOS -- Topsy.com

  3. Ahhhhh, Aristizábal jogou no Alvinegro Praiano tbm! Deixou boas lembranças!!! A geração colombiana dele era, talvez, mais forte que a da Argentina, com o esqueleto formado por Mondragon, Cordoba, Rincon, Aristizabal e Asprilla.
    Belo post, man! Abraços!!

  4. Aristizábal jogava demais. O entrosamento Ari-Dodô era uma coisa fora do comum.
    Na minha opinião, desde essa dupla, talvez a que mais tenha se aproximada de tamanho sucesso tenha sido França-Luis Fabiano ou Reinaldo-Luis Fabiano, mas sem a mesma técnica e faro de gol.

    Uma pena o Ari não ter ganho muitos títulos. Merecíamos ganhar esse Paulistão de 97. Maldito André Luiz que fez o gol no ultimo jogo do quadrangular.

    Mas valeu lembrar novamente do Aristizával e Celso, valeu por seguir minha sugestão HAHAHAHAHA

    Abraços, man

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s